sábado, 10 de agosto de 2013

Ninguém falou que ia ser fácil

E então, eis que aconteceu o que eu temia...um retrocesso!

Sim, meus amigos...essa minha terceira semana foi terrível em termos de dieta. Novamente dei de cara com meu maior inimigo: o emocional.

Podem falar o que quiserem...podem botar a culpa na genética, nas outras pessoas, na falta de dinheiro, na falta de conhecimento, no "eu tenho facilidade pra engordar", no dia chuvoso, nos alienígenas e no cosmos astral...mas a verdade é uma só: a maior dificuldade para emagrecer está dentro de nossa própria mente e coração. São nossas emoções e determinações que pautam nosso fracasso ou sucesso.

E sim, novamente me deparei com as emoções que já me fizeram perder o foco e desistir do regime milhões de vezes: o stress e a ansiedade.

Nas minhas 2 primeiras semanas, eu estava de férias. Então, foi bem fácil manter uma dieta saudável em casa com a minha esposa. Era só alegria...nada atrapalhando. Tanto é que tinha perdido já 3,5kg.

Por muito tempo tive essa dúvida, se era mais fácil emagrecer ficando em casa ou saindo pra trabalhar e vivendo a rotina normal de cada dia. Já tenho a resposta bem clara (pelo menos pro meu caso): é bem mais fácil ficar na dieta em casa do que na rua.

Então, com o stress do trabalho, somado à ansiedade por conta da prova da OAB que se aproxima (dia 18/08) e já levei pau uma vez...acabei me afogando em um montão de porcarias. Sim, descontei totalmente na comida. Teve um dia que eu almocei arroz branco, purê de batata, batata palha e bife à milanesa, comi um chocolate Talento inteiro + café + outro chocolatinho, aí durante a tarde comi mais chocolate. Saí do trabalho e comi 2 lanches no MC. Cheguei em casa e tomei 500ml de energético pra ver se aguentava estudar sem dormir + pão com maionese e devo ter esquecido alguma coisa rs (tudo isso no mesmo dia!)

O resultado dessa esbórnia, foi que eu aguentei estudar apenas uma hora e meia. Dormi em cima do livro. No outro dia, acordei enjoado e com uma moleza estranha. Fui trabalhar mesmo assim, mas na hora do almoço eu estava sem apetite e comecei a ficar quente. Sim, eu estava com febre e colhendo os espinhos de uma intoxicação alimentar. Tive que voltar pra casa, pois não estava conseguindo trabalhar.

Quando nosso corpo se acostuma com um tipo de dieta, no caso a dieta saudável que eu já estava tendo há 2 semanas, e se depara com uma bomba dessa, não dá outra...é passar mal mesmo. É muita falta de respeito consigo próprio.

Bom, depois dessa, então, me pesei e estou 0,5kg MAIS PESADO ao final dessa minha terceira semana...

Tudo isso faz parte e nem passa pela minha cabeça desanimar! Só que sirva de lição para me ajudar a superar os momentos de stress e ansiedade. Preciso colocar a determinação à frente sempre que me der vontade de descontar na comida. Como primeiro passo pra mudar isso, já decidi ir todos os dias na academia (e não só 3 por semana). Cada dia eu faço um tipo de aeróbico, sem forçar demais. Só pra queimar mais calorias mesmo.

Espero ter boas notícias ao final dessa 4ª semana que se inicia hoje.

A lição desse post é justamente essa: não deixe que o seu emocional te derrube. Não vai adiantar nada descontar as emoções na comida! Depois, outras emoções, como a de arrependimento, te deixarão pior ainda...




3 comentários:

  1. Oi Thiago! Tudo bem? Ninguém disse que ia ser fácil. Essas jacadas, como o pessoal fala, são comuns, a gente se esforça ao privar-nos de certas coisas que uma hora usa o emocional de desculpa e exagera até não poder mais. Eu faço isso quase todo fim de semana... Na semana é tudo bonitinho, AF, RA... Chega fim de semana os horários e programas mudam e eu caio na vontade de comer um monte de porcaria. Que só me fazem mal! Daí segunda é a mesma coisa, voltei pro 66,5 e tento recuperá-lo até a sexta pra 65,5. E não saio dessa. Mas sabe? Estou fazendo aos poucos. Cortando aos poucos, reduzindo, trocando. Preciso ter dias de lixo, senão piro. Minha mudança de consciência está sendo gradativa e está partindo de mim mesma e de mais ninguém, e é assim que tem que ser.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Luiza! Puxa vida...que luta, né!? Tem momentos na vida que o nosso corpo se acostuma com determinado peso e pra sair dá muito trabalho. Fiquei muito tempo no efeito sanfona, variando entre 105kg e 99kg. Há mais de 4 anos que eu não baixo de 97kg. Então, enquanto eu não baixar dessa marca, existe um "piloto automático" biológico dentro de mim trabalhando em meu desfavor. Sei disso, pq todas as vezes que vou me aproximando dos 99kg, mesmo que fazendo a RA direitinho, algo dentro de mim grita desesperadamente por gordices...
      É a luta de cada um pela vitória sobre si mesmo.
      Dominar a arte de ser senhor de si e agir com a razão (e não com o estômago) sempre que o assunto for cuidar da saúde, é jornada de estrada longa e ainda mto desconhecida...
      Mas cada queda pode ser um mar de conhecimentos a adquirir se tivermos a sabedoria de observar o nosso "eu", ainda imperfeito, com os olhos de um bom e velho pai que, amando seu filho, nunca o deixa, nem abandona, mas sim orienta, aconselha, "puxa a orelha" e o ajuda a tentar novamente a cada vez, até que suas estruturas sejam tão fortes que tempestade alguma o possa mais derrubar.
      Desistir é abandonar a si próprio.
      Vamos, firmes, conquistar o nosso sonho de chegar ao peso ideal e, assim, podermos ajudar todos os que quiserem vir também.
      Devagar e sempre! É assim que tem que ser!
      Abç!

      Excluir